Dando continuidade à coluna Raio-x do atleta, entrevistamos o jogador Jefferson Sobral, atleta que vem de uma família de basqueteiros e fez muito sucesso nacionalmente e internacionalmente.

 

Nome – Jefferson Sobral

Idade – 37 anos

Posição – Ala

 

Equipes: Brasil – Bauru, Joinville, Minas, Palmeiras, COC, Vasco, POA, Araraquara, São Bernardo, CETAF, Santo André, Corinthians, Liga Sorocabana

EUA – CAVS, LAKERS, DENVER, BUCKS, WIZARDS, Globetrotller, Liga de Desenvolvimento

SELEÇÃO BRASILEIRA, Valência Espanha e Shanghai Sharks China

“Na humildade só os Tops”

1. O que motivou você a virar um jogador de basquete?

Eu venho de uma família de jogadores de basquete minhas irmãs jogadoras e medalhistas olímpicas, aonde desde pequeno acompanho, está no sangue. Cresci assistindo o basquete, desde 7 anos acompanho o mesmo, cresci vendo Michael Jordan encantar o mundo com o balé em forma de basquete, e me inspirou em ser jogador e ir para os Estados Unidos jogar com as estrelas do basquete.

2. Você fez uma ótima Liga representando Joinville, como é sua ligação com a cidade?

Jogar por Joinville foi fantástico, conseguimos encantar e incendiar a cidade foi maravilhoso, foi um privilégio e uma honra vestir a camisa e representar a cidade de Joinville, tenho ótimas lembranças.

3. Conte um pouco sobre sua experiência nos EUA, defendendo equipes da NBA. Defender o Lakers foi o auge da sua carreira?

Eu tive a oportunidade de fazer o primeiro confronto entre brasileiros na NBA, na ocasião eu jogava pelo Lakers e o Nenê pelo Denver.

Tive também o privilégio de jogar e treinar com excelentes jogadores: No Lakers – Kobe/Shaq, No CAVS – Lebron, No Denver – Nene/Carmelo, No Milwaukee – Ray Allen, No Wizards com Wall.

                                                                                                              

Fui o primeiro brasileiro a jogar a primeira temporada da liga de desenvolvimento da NBA, fiz mais de 100 partidas pelo Globetrottler, viajei o mundo todo com a bola laranja na mão.

A minha maior experiência e com certeza o auge da carreira foi sim jogar no Lakers, aonde pude treinar com o Phill Jackson o maior treinador de todos os tempos, o maior vencedor da NBA, tive a honra de estar com ele e aprender muito, foi uma faculdade para mim.

4. O que faltou para que você pudesse ter uma longevidade maior na NBA?

Eu fui um dos desbravadores para abrir as portas na NBA, naquela época a visibilidade e conexão não era a mesma de hoje em dia, ir e permanecer nos EUA não era fácil. Morei 8 anos no EUA, aonde dos 20 anos de carreira 9 foram no exterior. Sou muito grato a Deus que me capacitou para viver tudo isso.

5. Hoje você já até atravessou o mundo para representar o Globetrottler representando o Brasil, tivemos um atleta o Eduardo Lipinski – Dude, que teve sua experiência junto ao Globetrottler. Descreva para nós um pouco dessa experiência:

Fiz mais de 100 partidas pelo Globetrottler, aonde pude viajar por todos os estados do EUA, minha personalidade extrovertida e brincalhão me auxiliou muito para ter mais essa experiência tão positiva. Aprendi sobre esse outro estilo de basquete de jogar que fez história e até hoje encanta por onde passa.

6. Sobral contem um pouco sobre os seus projetos futuros:

Estou no último semestre da faculdade de direito, cogito atuar na área de direito esportivo.

Tenho um projeto de centro de treinamento Jefferson Sobral em São Bernardo do Campo SP, que visa dar condições de prepara os atletas para disputarem todos os campeonatos.

Meu principal chamado e responsabilidade é pregar o evangélio, ministrar a palavra de Deus, é a maior responsabilidade que tenho na vida e faço isso com muito amor.

Sou treinador do Gaditas e do Raposas, e pretendo assim que me formar em Direito ingressar na faculdade de Educação Física para dar continuidade nessa capacitação de treinador.

São vários projetos e trabalhos em paralelo, porém são trabalhos que quero levar paralelamente pois o principal com certeza é o chamado de Deus aonde sou Pastor.

7. Estamos formando um belo trabalho de base, que conselho você pode dar aos meninos que sonham em ter uma carreira brilhante e fazer sucesso assim como você?

Com a semente plantada, é certo que grandes talentos surgirão. Hoje as portas do basquete estão abertas para aqueles quem creem, trabalham e batalham para seus sonhos serem realizados. Está literalmente nas mãos é só enterrar ou arremessar, vai depender do quanto cada um faz quando ninguém está vendo, só Deus.

 

O BLACKSTAR BASQUETE agradece entrevista, e deseja toda sorte do mundo a Jefferson Sobral em suas diferentes frentes de trabalho.

Muito obrigado pelo espaço e fique com Deus.