Raio x do Craque
Dando continuidade à coluna Raio-x do atleta, entrevistamos o jogador Renato que despontou para o basquete nacional adulto defendendo a equipe de Joinville na temporada 2010/2011.

Nome – Renato Scholz
Idade – 28 anos
Equipe Atual – Vitória
Posição – Ala/Pivô
Número de temporadas no NBB – 5 temporadas, 3 por Joinville, 1 Sorocaba e agora por Universo/Vitória
Equipes: Joinville, Liga Sorocabana, Vitória
1) O que motivou você a virar um jogador de basquete?

Cara eu fui criado com minha mãe e meus dois irmão em uma instituição de criança carentes lá em Gramado-RS que se chama Instituto santíssima trindade, e lá vcs tem várias atividades pra fazer durante o dia quando é mais novo, e a partir dos 13 anos eu já trabalhava na Roça, e mesmo eu sendo de uma família mais humildade eu não queria isso pra min, e eu sempre gostei de futebol, Basquete, Vôlei, Futsal etc bom adorava a educação física na escola, e lá nessa instituição e comecei bater uma bolinha nas quadras e comecei a gostar mesmo de jogar basquete mais do que os outros esportes, e eu tinha altura ainda, aí resolvi fazer uma peneira pra começar a levar mais a sério, aí eu fui até Torres-RS e me inscrevi e passei e fui morar lá sozinho, e aí no primeiro ano a instituição e minha mãe e outras pessoas me sustentavam lá e eu treinava muito e a cada dia eu abria alguma coisa e via que levava jeito é no segundo ano de basquete já fui contratado pelo time, e aí que eu queira mais e mais e treinar mais e melhorar cada vez mais, e quem me deu muito força foi a minha mãe que no início não entendia muito de basquete, mas me dava muito força e isso que motivava por ela ser assim uma guerreira e mesmo eu estando longe Dela, ela sempre esteve do meu lado.

2) Teve algum ponto de sua carreira que você pensou em desistir para tentar entrar no mercado de trabalho?

Sim, depois de eu ter jogado 3 temporadas de NBB em Joinville, eu continuei em Joinville jogando, mas jogando só os campeonatos regionais de SC e no ano de 2014 eu ia casar, mas com o dinheiro que eu ganhava não dava pra se virar direito e pagar o casamento que dirá sustentar uma família, aí eu comecei a trabalhar em uma empresa, na KAVO e nesse tempo pensei seriamente em largar o basquete, mas nesse tempo que estive trabalhando vi que não queria isso pra min ainda, aí nessa época meu sogro foi um cara que me deu muito força pra continuar no basquete, e deu certo que tô aqui hoje ainda.

3) Você sempre foi considerado um “coringa” por muitos de seus treinadores por ter um biótipo físico que o permite jogar em mais posições. Para você é natural jogar em diferentes posições e funções?

Desde de mais novo sempre joguei em duas ou três posições, pra min isso é muito natural mesmo pq como tu falou o meu biotipo físico ajuda muito, e eu até gosto de jogar assim pq vc acaba desenvolvendo de tudo um pouco, e vc acaba sempre levando vantagens quando não essa jogando em sua posição original

4) Na sua opinião as categorias de base de hoje em dia trabalham o atleta para que ele possa jogar em diferentes funções?

Sim, eu acho que desde mais novo hoje em dia os garotos acabam apreendendo de tudo um pouco, o que e muito bom, pq às vezes tem alguns que são pequenos quando começam e depois virão uns pivos, dai acaba facilitando bastante pq já treinaram o que um pivô faz.

5) O Vitória chegou aos playoffs do NBB e você vem fazendo uma ótima campanha, você acredita estar vivendo o auge da sua carreira?

Podemos dizer que sim, pq essa temporada estou jogando em uma equipe muito boa e estou conseguindo me destacar ao mesmo tempo, mas acho que posso melhorar algumas coisas pra melhorar meu jogo ainda mais.

6) Você tem laços com a cidade de Joinville, já cogitou encerrar a carreira na região sul?

Na verdade eu nem pensei sobre isso ainda, mas se pensar por esse lado seria maravilhoso me aposentar por alguma equipe aí do Sul, se for Joinville melhor ainda pq tenho um carinho enorme pela cidade e vários amigos que fiz lá e a família da minha esposa que é de Joinville.

Espaço aberto para você mandar um recado para seus fãs do Blackstar e da torcida Joinvillense:
O Blackstar agradece o espaço, continua acompanhando e torcendo, na medida do possível todo seu sucesso.
Parabéns continue sendo esse rapaz humilde e esforçado.

Só queria agradecer ao Presidente do Blackstar Rodrigo pela oportunidade e mandar um abraço pra galera do Blackstar, e dizer que estou torcendo para uma equipe de Joinville voltar a jogar um NBB, essa cidade e a torcida merecem.